Conheça o vinho de Jesus

Segundo historiadores, bebida servida na Última Ceia era mais leve e doce, com menos teor alcoólico.

, 307 visualizações
Conheça o vinho de Jesus

Rodrigo Leitão

O vinho é citado 260 vezes na Bíblia. Muitas correntes argumentam que várias destas citações falam em suco de uva ou vinho sem álcool. Mas o fato é que toda essa história começa com Noé e abre o Velho Testamento afirmando que o “Navegador do Dilúvio” é o primeiro vinhateiro da história, sete mil anos atrás: “E Noé começou como um agricultor e ele plantou uma vinha. E ele bebeu do vinho e ficou bêbado” (Gênesis 9.20-1).

O historiador e enólogo inglês Hugh Johnson, no seu livro “A História do Vinho”, argumenta que o vinho de Jesus “era ingerido com água do mar”. Segundo Johnson, fazia-se uma espécie de decantação, reduzindo bem o vinho bruto, mas mesmo assim ficava espesso e turvo e era preciso coar com um pano e dissolver em água quente, para depois ser bebido.

Os egípcios também mexiam no vinho depois de fermentado. O crítico e historiador Daniel Rogov afirma que era uma bebida tão ruim que precisava “ser temperado com mel, pimenta e zimbro”. Já em Roma, este mesmo vinho chegava espesso e doce, “o que nenhum crítico moderno aprovaria”, justifica Rogov. Bom ou não, o fato é que o vinho de Jesus ou o vinho bíblico era tão comum que de Noé a Jesus, todos os principais personagens da antiguidade religiosa bebiam vinho. E Paulo inclusive utilizou vinho para curar enfermos.

O vinho que Jesus ofereceu aos apóstolos na Última Ceia, não era como o vinho que conhecemos hoje e que surgiu no século 13, na França. Em Israel, na época do Cristo, o vinho era mais fraco que o de hoje em dia. Isso porque adicionava-se água ao vinho. A época de colheita, naqueles tempos, entre agosto e setembro, era precedida de uma temporada de muito calor e seca, o que amadurecia demasiadamente a uva, aumentando o teor de açúcar na fruta. Mas como esse vinho era fermentado naturalmente e não recebia adição de fermento e açúcar para provocar maior teor alcoólico, o resultado era uma bebida mais leve e mais doce.

Embora os produtores israelenses estejam lançando vinhos, principalmente brancos, de uvas autóctones que remontam a 220 a.C., muito provavelmente o vinho que Jesus degustou na Última Ceia seja de Shiraz ou Merlot. A primeira é autóctone da Pérsia, onde hoje está o Irã e onde há uma cidade com o nome desta uva e que reivindica seu berço histórico. A segunda teve um exemplar encontrado no Monte Ararat, em destroços do que, segundo estudos em andamento, podem ser da Arca de Noé. Ambas seriam uvas usadas em vinhos de Davi, Jesus e Alexandre da Macedônia, antes de os romanos chegarem a Palestina.

Comentários

O Portal Éder Luiz se exime de qualquer responsabilidade por comentários postados por seus leitores. Os comentários não representam a opinião do Portal e toda responsabilidade está a cargo de quem os postar.

Notícias relacionadas

Beterraba: benefícios, como consumir e receita fácil

Beterraba: benefícios, como consumir e receita fácil

A raiz auxilia nos treinos, previne doenças e ajuda no controle do colesterol, mas deve ser consumida com moderação.

Três receitas de farofa para inspirar um menu criativo em casa

Três receitas de farofa para inspirar um menu criativo em casa

Prato originalmente criado no Brasil, essa receita do período colonial acompanha quase todos os pedidos da nossa culinária.

Hoje é Dia do Malbec, abra uma garrafa e brinde!

Hoje é Dia do Malbec, abra uma garrafa e brinde!

Confira sete rótulos muito bons que você pode adquirir pela internet, com preços entre R$ 68 e R$ 655.

Receita da avó de Sabrina Sato: Bolo de Castanhas e Nozes!

Receita da avó de Sabrina Sato: Bolo de Castanhas e Nozes!

Conheça o bolo feito pela doceira Kika Sato, mãe da apresentadora, ensinado pela vovó dela, e o preferido da família.

Receitas para um Happy Hour em casa

Receitas para um Happy Hour em casa

Veja aqui como preparar três drinks fáceis e rápidos para curtir no fim da tarde com a família.