FECAM apresenta reivindicações dos municípios a parlamentares catarinenses

Um dos principais pontos que preocupam os gestores é a reforma tributária.

, 112 visualizações
Foto: Comunicação FECAM
Foto: Comunicação FECAM

Ao final do segundo dia de programação da XXIV Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, foi realizada uma reunião do Fórum Parlamentar Catarinense, na qual foram apresentadas pautas de reivindicação dos municípios, consórcios e associações, intermediadas pela Federação de Consórcios, Associações e Municípios de Santa Catarina (FECAM). Os prefeitos do Estado puderam expressar suas preocupações aos parlamentares presentes.

A coordenadora do Fórum Parlamentar, deputada Caroline de Toni (PL), os deputados Jorge Goetten (PL), Rafael Pezenti (MDB), Daniela Reinert (PL), Ismael dos Santos (PSD), Zé Trovão (PL), Valdir Cobachini (MDB) e o senador Esperidião Amin (PP) acompanharam a apresentação das demandas das entidades municipalistas catarinenses.

“Nós queremos trazer as demandas do Estado de Santa Catarina para que vocês, deputados, pudessem ouvir, levando em consideração a nossa realidade e as nossas necessidades junto ao parlamento e ao governo federal”, afirmou a prefeita de Vargem e presidente da Federação, Milena Andersen Lopes.

Um dos principais pontos que preocupam os gestores é a reforma tributária, que pode extinguir o imposto sobre serviço municipal (ISS), criando um imposto único, que passa a ser tributado apenas no destino e não mais na origem. Isso atingiria a autonomia dos municípios e a administração dos recursos. A FECAM solicita uma maior participação dos municípios no bolo tributário, considerando a quantidade de serviços e competências que desenvolvem, o fortalecimento dos impostos sobre o patrimônio e a paridade de representação nas políticas federais de repasse de recursos.

O pacto federativo, que pretende dar mais autonomia aos estados e municípios, descentralizando recursos públicos e desvinculando receitas de determinadas despesas, foi apresentado também. A FECAM pede que seja firmado um canal de diálogo permanente entre a bancada e a instituição para discutir projetos de lei que tratam de serviços compartilhados. Quer, ainda, participar de discussões sobre a separação de atribuições para que o diálogo de cooperação possa ser feito em conjunto.

O debate sobre o piso nacional do magistério e da enfermagem também foi pautado. A FECAM não é contra a definição dos pisos, porém, está alinhada ao posicionamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) de que não há base legal para o reajuste do piso nacional do magistério de 14,95% em 2023. A Federação defende a edição de uma nova lei nacional sobre o piso salarial do magistério, já que o parâmetro anterior foi revogado pela nova Lei do Fundeb, sancionada em 2021, e acredita que a solução do impasse deve vir da negociação política e não dos confrontos nos tribunais e cortes de contas.

Há dois projetos de lei que tratam de alterações nos consórcios. O PL 196/2020 e o 1456/2019 impactam na modernização dos consórcios, que são importantes na prestação de serviços regionalizados. Esses projetos de lei estabelecem outras fontes de custeio, organização mais clara do que é consórcio público e privado e algumas regras que melhoram a gestão dessas instituições e a Federação pede que os deputados e senadores do Estado apoiem a aprovação dessas medidas.

A FECAM e os municípios catarinenses também solicitam que os parlamentares façam uso das emendas de bancada para a melhoria da infraestrutura das rodovias federais em território catarinense.

O saneamento básico dos municípios também foi pauta. “É incompatível com o nosso grau de desenvolvimento econômico e humano a realidade do saneamento básico em nosso Estado”, afirmou o assessor jurídico da FECAM, Luiz Magno. A FECAM requer, que por meio das comissões temáticas, a bancada parlamentar possa propor o desenvolvimento de políticas públicas federais que subsidiem e fomentem o repasse de recursos para a questão do saneamento.

Outro ponto de atenção requerido é a criação de um projeto de lei que institua um fundo específico de destinação de recursos federais e estaduais para uso imediato dos municípios afetados por intempéries climáticas, como enchentes e deslizamentos, e a suspensão provisória das dívidas consolidadas e de financiamentos daquelas cidades atingidas por situações emergenciais, para que possam viabilizar a reconstrução das áreas.

O último ponto reivindicado é a aprovação da PEC 383, que trata da destinação de 1% da receita corrente líquida (RCL) da União para o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Os parlamentares se comprometeram a auxiliar os municípios e os prefeitos, frisando que estão sempre de portas abertas para recebê-los em seus gabinetes.

Fonte:

RCN

Notícias relacionadas

Clientes têm problemas com faturas da Celesc; saiba o que fazer

Clientes têm problemas com faturas da Celesc; saiba o que fazer

Lojas de atendimento estão recebendo grande volume de pessoas, mas orientação é não procurar atendimento presencial.

Três em cada 10 brasileiros já se endividaram por conta de namorado

Três em cada 10 brasileiros já se endividaram por conta de namorado

Pesquisa da Serasa aponta que 25% também precisaram contratar crédito devido a um parceiro, entre namorados, maridos, esposas e ficantes.

Influenciadores argumentam que esperar de 90 a 120 minutos para ingerir cafeína pode trazer benefícios.  Foto: stokkete/Adobe Stock

Será que você deveria atrasar o primeiro café do dia?

Influenciadores têm defendido que aguardar cerca de duas horas para tomar a primeira xícara traria benefícios.