Jovem foi torturada por ex-sogra e morreu com mata-leão, diz investigação em SC

Em coletiva de imprensa, a Polícia Civil falou ainda sobre a motivação do crime e requintes de crueldade.

, 5.694 visualizações
Foto: PCSC/ Divulgação/ND
Foto: PCSC/ Divulgação/ND

A jovem que teria sido sequestrada pela ex-sogra e atual do ex-namorado foi torturada por dois dias e morta com um mata-leão no terceiro, afirmou a investigação em coletiva nesta sexta-feira (24). Segundo a delegada do caso, Jucines Ferreira, o corpo da jovem foi encontrado desfigurado.

Depoimento do namorado da ex-sogra aponta que a vítima apanhou até agonizar. O crime aconteceu em janeiro, em Braço do Norte. A delegada conta que o namorado da ex-sogra detalhou a linha do tempo do crime, que ocorreu em janeiro.

Jéssica Elias da Rosa, de 23 anos, teria saído de casa na sexta (20), e sequestrada na madrugada de sábado (21). Então, ela teria sido torturada por dois dias, e no terceiro, na segunda-feira (23), os suspeitos teriam decidido matá-la e enterrá-la.

Receba as notícias em seu celular! Entre em nossa comunidade no WhatsApp - Clique Aqui!

O namorado da ex-sogra afirmou à polícia que não participou da violência. Segundo ele, um celular foi amarrado na boca da vítima, e que era possível ouvir gritos e choro durante as surras, que eram incessantes. As torturas duraram dois dias e duas noites, apontou a investigação.

No domingo (22), a vítima teria sido levada para um sítio em Braço do Norte e lá, amarrada em um colchão. O suspeito falou à polícia que chegou a dar remédios para Jéssica, mas quando os suspeitos voltaram para o local na segunda-feira (23), não conseguiam saber se ela estava viva ou morta.

O namorado da ex-sogra disse que decidiu matá-la com um mata-leão quando viu a jovem agonizando.

“Meu filho tá preso por causa dela”, teria dito suspeita

De acordo com a Polícia Civil, as duas suspeitas moravam juntas. A atual do ex-namorado de Jéssica já havia sido amiga da vítima. No entanto, a delegada afirma que a amizade deu lugar à rivalidade quando a suspeita começou a namorar seu ex-namorado.

A ex-sogra e a atual nora eram muito próximas, a ponto da suspeita fazer uma tatuagem, que diz “Você faz parte da minha história e da minha vida”, em homenagem à mãe do namorado. No entanto, em relação à vítima, o sentimento da sogra era oposto. “[A ex-sogra] nutria um ódio por Jéssica”, afirmou a delegada.

O ex-namorado da vítima está preso por outro homicídio, e a atual é suspeita de ter participado do crime, no entanto, a sogra é seu álibi. O depoimento da suspeita mostrou que ela culpava a vítima pela prisão do filho.

“O meu filho tá preso por causa dela”, teria dito a mãe do ex-namorado de Jéssica.

Antes do sequestro, as suspeitas teriam ido tirar satisfação com Jéssica em função de um suposto fake criado pela vítima nas redes sociais. O perfil falso teria o objetivo de mostrar ao ex que a vítima estaria interessada por outro homem.

Suspeitos teriam enviado mensagem à família de Jéssica

Dois dias após o desaparecimento de Jéssica e diante de inúmeras tentativas de contato da família com a jovem, a mãe da vítima conta que recebeu uma mensagem enviada pelo celular da filha: “Eu fiz algo muito errado e preciso dar um tempo de Braço do Norte”

No entanto, a mãe afirma ter suspeitado da mensagem e reconhecido a casa das suspeitas em uma foto enviada em outro momento. Conforme Ferreira, a suspeita da foto foi confirmada pela polícia da investigação.

A investigação apontou ainda que, enquanto Jéssica estava presa no sítio, as duas investigadas foram até a casa da vítima e conversaram com a mãe dela. Segundo a delegada, na tentativa de desviar a suspeita, elas questionaram se a mulher não havia visto a filha.

“Você viu a Jéssica? Ela fez um fake e a gente acha que foi ela”.

Fonte:

ND+

Notícias relacionadas