Pessoas entre 40 e 49 anos já podem receber quarta dose da vacina contra a Covid-19

A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (20).

, 305 visualizações
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O Ministério da Saúde confirmou, nesta segunda-feira (20), a aplicação da quarta dose da vacina contra a Covid-19 para pessoas dos 40 e 49 anos. O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, ainda falou sobre a vacina contra a Covid-19 como parte do cronograma do PNI (Programa Nacional de Imunização).

De acordo com a pasta, mais de 8,9 milhões de brasileiros dessa faixa etária que receberam a terceira dose há mais de quatro meses poderão se vacinar com os imunizantes AstraZeneca, Pfizer ou Janssen.

O reforço também será para pessoas vacinadas com as doses únicas da Janssen. Para quem tem mais de 40 anos, o Ministério da Saúde confirmou mais dois reforços, sendo que o terceiro deve ser refeito quatro meses após a segunda aplicação da vacina, e o quarto, quatro meses após o terceiro.

De acordo com informações do Portal R7, o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, afirmou em entrevista que o Ministério acredita que a vacinação contra a Covid-19 fará parte do cronograma do PNI (Programa Nacional de Imunizações), mas ainda não há detalhes sobre a partir de quando.

“Todas as vacinas que fazem parte do PNI são vacinas que temos total segurança da regularidade, sazionalidade e do entendimento da doença como um todo. Cremos e provavelmente vai acontecer que a vacina contra a Covid-19 vá entrar no PNI”, disse o secretário.

Para a vacinação da quarta dose da vacina em brasileiros com a faixa etária de 18 a 39 anos, o secretário falou sobre a análise de segurança das doses antes de confirmar a distribuição.

” A quarta dose está em contínuas conversas e discussões com o Cetai (Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19) e vamos ampliando -as faixas etárias- cada vez mais, na medida que tivermos evidências científicas”, declarou Medeiros.

Fonte:

ND+

Notícias relacionadas