Professora morre após ataque de aluno em escola de SP

O autor do ataque é um jovem de 13 anos. Outras cinco pessoas foram atingidas.

, 2.095 visualizações
Foto: CNN
Foto: CNN

Uma professora, de 71 anos, morreu, na manhã desta segunda-feira (27), após ser esfaqueada por um aluno em uma escola estadual na zona oeste de São Paulo. De acordo com o secretário de Segurança de São Paulo, Guilherme Derrite, outras três professoras e dois alunos foram vítimas deste episódio.

O caso aconteceu por volta das 07h20 na Escola Estadual Thomazia Montoro, no bairro Vila Sônia. O autor do ataque é um jovem de 13 anos, que era estudante do 8º ano nesta escola, que foi detido pela polícia.

Receba as notícias em seu celular! Entre em nossa comunidade no WhatsApp - Clique Aqui!

As vítimas foram encaminhadas ao Hospital das Clínicas e os hospitais Bandeirantes, Universitário e São Luís. O porta-voz da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) também afirmou que uma criança foi socorrida em estado de choque.

“A Polícia Militar foi acionada e a Civil investiga os fatos. O jovem de 13 anos de idade foi apreendido. Os secretários de Estado da Educação, Renato Feder, e da Segurança, Guilherme Derrite, estão na escola para tomar as primeiras medidas e prestar apoio a professores, familiares e alunos”, acrescentou o governo de SP.

Inicialmente, a Polícia Militar (PM) havia informado que três professoras e um estudante tinham sido feridos no ataque, mas o número foi atualizado pela Secretaria de Comunicação (Secom) do governo paulista.

Fonte:

CNN

Notícias relacionadas

Três em cada 10 brasileiros já se endividaram por conta de namorado

Três em cada 10 brasileiros já se endividaram por conta de namorado

Pesquisa da Serasa aponta que 25% também precisaram contratar crédito devido a um parceiro, entre namorados, maridos, esposas e ficantes.

Influenciadores argumentam que esperar de 90 a 120 minutos para ingerir cafeína pode trazer benefícios.  Foto: stokkete/Adobe Stock

Será que você deveria atrasar o primeiro café do dia?

Influenciadores têm defendido que aguardar cerca de duas horas para tomar a primeira xícara traria benefícios.